18Outubro2017

Informes Notícias 13/05/2014 - Minerodutos seguem causando estrago em terras mineiras

13/05/2014 - Minerodutos seguem causando estrago em terras mineiras

  • PDF
As degradações ambientais e sociais causadas pela forte presença da mineração no nosso estado, aliadas à política de desmatamento do Governo do Estado, têm sido responsável pelo sofrimento de milhares de famílias mineiras. O lobby de empresas mineradoras como a Sul Americana de Metais (SAM), a Anglo American, a Manabi e a Ferrous e suas ligações escusas com o projeto neoliberal do Governo Anastasia colocam mais um desafio para os movimentos sociais na luta em defesa do nosso povo.  Através de outorgas ilícitas, desapropriações que violam os Direitos Humanos e a utilização de trabalho escravo, essas empresas ceifam vidas em regiões de todo o estado, enquanto garantem o lucro dos poderosos e tornam a economia mineira dependente da mineração.


Uma recente manobra do Governo de Minas aumentou ainda mais a área de atuação perversa destas empresas. O Decreto Estadual de numeração 30 desapropriou terrenos em vários municípios do Norte de Minas para a construção do Mineroduto Projeto Vale do Rio Pardo, de 482km de extensão. O empreendimento da SAM irá retirar uma enorme quantidade de água do Rio Jequitinhonha em regiões semiáridas do estado.

O mineroduto passará pelos municípios de Grão Mogol, Padre Carvalho, Fruta de Leite, Novorizonte, Salinas, Taiobeiras, Curral de Dentro, Berizal e Águas Vermelhas. O empreendimento para a passagem do mineroduto possui como sócios a Sul Americana de Metais (SAM), empresa do Grupo Votorantim criada em 2006, e a chinesa Honbridge Holding. Considerado o maior projeto de mineração no Norte de Minas, com investimentos previstos na ordem de US$ 3 bilhões, escoará minério entre a usina de beneficiamento, em Grão Mogol, e um porto em Ilhéus, no Sul da Bahia.

Conforme relatório de impacto ambiental da SAM, de junho de 2012, a água utilizada para a operação do Mineroduto Projeto Vale do Rio Pardo terá como fonte o reservatório de Irapé, no Vale do Jequitinhonha, onde a empresa já possui autorização da Agência Nacional de Águas – ANA, para o volume de 6.200 m³/h. Inaugurada pela Cemig em junho de 2006, a a Usina Hidrelétrica de Irapé abrange, além dos municípios de Grão Mogol e Berilo, os municípios de Botumirim, Cristália, José Gonçalves de Minas, Leme do Prado e Turmalina.

Confira a matéria completa no site do Deputado Rogério Correia:
http://goo.gl/MEOSUl